Notícias

  Versão para impressão   Enviar para amigo Tamanho da fonte   A-  A+

[20/07/2016]

Ricardo Lewandowski derruba bloqueio do WhatsApp em todo o Brasil

A assessoria de imprensa do Supremo Tribunal de Justiça confirmou no fim da tarde desta terça-feira que o ministro Ricardo Lewandowski liberou o WhatsApp em todo o Brasil. Para o presidente do Supremo, o bloqueio do serviço "viola o preceito fundamental da liberdade de expressçao e comunicação".

O texto divulgado pelo Supremo afirma que, para o ministro, "a suspensão do serviço aparentemente viola o preceito fundamental da liberdade de expressão e comunicação (artigo 5º, inciso IX, da Constituição Federal) e a legislação de regência sobre a matéria".

Ainda segundo a assessoria do STF, a liminar foi deferida em resposta a uma ação ajuizada em maio pelo Partido Popular Socialista (PPS), quando o aplicativo foi bloqueado por decisão de um juiz de Lagarto (SE). Nesta terça, o partido protocolou uma petição no mesmo sentido requerendo a imediata suspensão da nova decisão judicial.

Lewandowski levou em conta que o Marco Civil da Internet já dispõe que o uso da internet no Brasil tem como princípios a “garantia da liberdade de expressão, comunicação e manifestação de pensamento, nos termos da Constituição Federal”. Além disso, há expressa preocupação com a “preservação da estabilidade, segurança e funcionalidade da rede”.

A nota divulgada pela assessoria do STF também fala sobre a quebra da criptografia das mensagens, afirmando que se trata de um "tema da mais alta complexidade, não existindo dados e estudos concretos quanto à possibilidade de execução da medida determinada pelo Juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias/RJ e supostamente descumprida pelo WhatsApp".

Ainda segundo texto, o ato de bloqueio é aparentemente pouco razoável e proporcional, além de gerar insegurança jurídica, deixando milhões de brasileiros sem esse meio comunicação".

O bloqueio o aplicativo havia sido determinado pela juíza da Vara de Execuções Penais (VEP) Daniela Assumpção Barbosa, que argumentava que o Facebook, empresa proprietária do WhatsApp, havia sido notificado por três vezes para interceptar mensagens que seriam referentes a uma investigação criminal em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

 

Autor:
Fonte: O Globo




(c) 2007 IBDI - Instituto Brasileiro de Direito da Informática
Todos os direitos reservados